Pesquisa adverte: a fuligem é cancerígena

24 jan por

Pesquisa adverte: a fuligem é cancerígena

Estudo da USP identifica 172 substâncias orgânicas na queimada

Pesquisa da USP (Universidade de São Paulo) de Ribeirão Preto identificou 172 substâncias orgânicas na poeira e na fuligem da queima da palha da cana-de-açúcar, entre elas partículas com alto potencial cancerígeno, como os HPAs (hidrocarbonetos policíclicos aromáticos).

Realizado nos anos de 2010 e 2011 e publicado recentemente, o estudo verificou, no período da safra, concentrações de HPAs que chegaram a 2,3 vezes mais do que o valor recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde), de um nanograma por metro cúbico de ar.

“Essas substâncias podem se agrupar na estrutura do DNA e ocasionar mutações”, esclarece a química Roberta Cerasi Urban, responsável pela pesquisa. Apenas em 2012, cerca de 7 milhões de pessoas morreram no mundo por exposição à poluição do ar, de acordo com a OMS.

Outros compostos encontrados na poeira e na fuligem da queima da palha da cana foram os n-alcanos, que repelem a água e dificultam a formação de nuvens. “A presença deles deixa o tempo mais seco e, sem chuva, os problemas respiratórios se agravam”, comenta Roberta.

A estudante Marília Dovigues, 23 anos, sabe bem o que é isso. Aos 7 anos, ela foi acometida por uma pneumonia que lhe rendeu uma parada respiratória e um quadro crônico de rinite e bronquite.

Depois disso, Marília passou a conviver com o nariz ressecado, sangramentos nasais e tosses constantes. “Em época de queimada, eu pioro muito, então lavo meu nariz várias vezes por dia, ando sempre com soro fisiológico e durmo com o umidificador ligado”, conta.

Cuidados

O pneumologista Álvaro Gradim explica que as partículas pesadas presentes nas queimadas causam irritação nas vias respiratórias. “Inaladas, elas agridem as fossas nasais, dando início a um processo de rinite e aumentando a probabilidade de inflamações na faringe, laringe, traqueia e brônquios”, destaca.

Para minimizar os efeitos das queimadas na saúde, o médico recomenda a ingestão de muito líquido, além do uso de soro fisiológico e vaporizador. “As pessoas também devem evitar varrer a casa, porque essas substâncias são muito voláteis. Em vez disso, é aconselhável passar um pano úmido”, diz.

Segundo Roberta, o material particulado ainda pode alcançar um raio de 100 quilômetros de distância e continuar no ar três dias após a queima.

Lei que proíbe queimada é inconstitucional

A lei municipal 13.313/2014, que vetava queimadas em canaviais localizados em Ribeirão Preto, foi considerada inconstitucional pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em março deste ano.

Ao julgar processo sobre uma lei de Paulínia (SP) que proibia totalmente a queima da palha de cana no município, o Supremo entendeu que as normas federais e a Constituição do Estado de São Paulo já tratam da eliminação gradual das queimadas e anulou as demais leis que impediam essa prática.

De qualquer maneira, a queima da palha de cana deverá ser extinta em todo o território paulista no prazo de até dois anos, uma vez que o Governo do Estado de São Paulo e a Unica (União da Agroindústria Canavieira de São Paulo) assinaram, em junho de 2007, o Protocolo Agroambiental do Setor Sucroalcooleiro Paulista, que antecipou de 2021 para 2014 o fim das queimadas em áreas mecanizáveis e de 2031 para 2017 em áreas não mecanizáveis.

Reportagem: Micaela Lepera

Jornal A Cidade – Ribeirão Preto

 

Artigos relacionados

Tags

Compartilhar

468 ad

Enviar mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *